Pular para o conteúdo principal

“A crise do ensino público” – por ISTVÁN MÉSZÁROS


“A crise do ensino público” – A quem interessa?

Seria uma ingenuidade, não perceber que a crise do ensino público se arrasta e é fruto de u projeto político e econômico. 

Este sistema é o mais desigual de todas já existentes na história, e ainda nos faz crer que somos todos iguais perante a lei, e o papel de convencimento está no sistema ideológico que proclama e inculque cotidianamente tais valores na mente das pessoas.

“No reino do capital, a educação é, ela mesma, uma mercadoria” p.16. Isso explica a crise do ensino no sistema público, onde as demandas do capital pressiona e controla os investimentos públicos na educação. No livro: “O mundo ao avesso”,autor uruguaio, Eduardo Galeano, fala sobre a interferência do Banco Mundial na educação pública, vejamos:

“O Banco Mundial chama a educação de “um investimento em capital humano”, o que, de seu ponto de vista, é um elogio, mas, num informe recente, propõe como possibilidade reduzir os salários dos professores nos países onde “a oferta de professores” permite manter o nível docente”. P 184. 

As determinações do capital afetam profundamente cada âmbito particular com alguma influência na educação, e de forma nenhuma apenas as instituições educacionais. Estão estritamente ligadas na totalidade dos processos sociais. p.43

E é por meio apenas da tomada de consciência e por meio da iniciativa é que por meio das relações coletivas poderá livrar-nos desta grava situação paralisante de ensino. Mészários faz esta observação, com olhar sobre o ensino e nível mundial, até parece que ele refere-se diretamente ao nosso país, é lamentável que não seja coincidência. 













Esta publicação e até mesmo a edição da mesma. Sem fins lucrativos e cite a fonte. Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A classe hegemônica impõem uma educação para o trabalho alienado, segundo István Mészáros

A classe  hegemônica impõem uma educação para o trabalho alienado, segundo István Mészáros

Aprender, desde que seja útil: Educar não é a mera transferência de conhecimentos, mas sim conscientização e testemunho de vida. É construir, liberar o ser humano de cadeias do determinismo neoliberal. Mészáros defende uma educação que supere a lógica do capital, que por sinal, é um fator que nos torna ainda mais individualistas. Segundo Gramsci, “educar é por fim à separação entre o Homo faber e o Homo sapiens”, e possibilitar uma educação emancipatória. Que a educação não fique estrita somente no campo da pedagogia, mas de sair às ruas, para os espaços públicos, e abrir-se para o mundo.
Para o autor, a educação poderia ser uma alavanca essencial para a mudança, porém, infelizmente, “tornou-se instrumento dos estigmas da sociedade capitalista: fornecer conhecimentos e o pessoal necessário a maquinaria produtiva de expansão do sistema” p.16.
Mészáros sustenta que, a educação deve ser: (...) “Continuad…

Na íntegra: "A incorrigível lógica do capital e seu impacto sobre a educação" por István Mészáros

Na íntegra: "A incorrigível lógica do capital e seu impacto sobre a educação" por István Mészáros
“Aprender, desde que seja útil”. É por isso, que existe a necessidade de romper com a lógica do capital, se quisermos contemplar a criação de uma alternativa educacional significativa e diferente.
Para simplificar e explicar essa “tal fórmula global”, convido a vocês leitores a refletir, partindo da seguinte analogia:  “Imaginemos que o sistema cria uma ordem geral (pré-estabelecida) e nós estamos sob influência da mesma, e as consequências não são positivas, é como se essa ordem e leis gerais, fossem uma espécie de ‘máquina de criar conformidade’, e sua função é homogeneizar e estabilizar a sociedade, a estrutura social, econômica, política e as formas que lhe apresentam como oposição devem ser imediatamente eliminadas. A ordem segue exercendo a ordem como ‘status da conformidade’ e desta forma,  a força hegemônica prossegue exercendo o seu domínio. P. 25.

Poucos negariam hoje que …