Pular para o conteúdo principal

“A crise do ensino público” – por ISTVÁN MÉSZÁROS


“A crise do ensino público” – A quem interessa?

Seria uma ingenuidade, não perceber que a crise do ensino público se arrasta e é fruto de u projeto político e econômico. 

Este sistema é o mais desigual de todas já existentes na história, e ainda nos faz crer que somos todos iguais perante a lei, e o papel de convencimento está no sistema ideológico que proclama e inculque cotidianamente tais valores na mente das pessoas.

“No reino do capital, a educação é, ela mesma, uma mercadoria” p.16. Isso explica a crise do ensino no sistema público, onde as demandas do capital pressiona e controla os investimentos públicos na educação. No livro: “O mundo ao avesso”,autor uruguaio, Eduardo Galeano, fala sobre a interferência do Banco Mundial na educação pública, vejamos:

“O Banco Mundial chama a educação de “um investimento em capital humano”, o que, de seu ponto de vista, é um elogio, mas, num informe recente, propõe como possibilidade reduzir os salários dos professores nos países onde “a oferta de professores” permite manter o nível docente”. P 184. 

As determinações do capital afetam profundamente cada âmbito particular com alguma influência na educação, e de forma nenhuma apenas as instituições educacionais. Estão estritamente ligadas na totalidade dos processos sociais. p.43

E é por meio apenas da tomada de consciência e por meio da iniciativa é que por meio das relações coletivas poderá livrar-nos desta grava situação paralisante de ensino. Mészários faz esta observação, com olhar sobre o ensino e nível mundial, até parece que ele refere-se diretamente ao nosso país, é lamentável que não seja coincidência. 













Esta publicação e até mesmo a edição da mesma. Sem fins lucrativos e cite a fonte. Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

''A mixofobia'', por Zygmunt Bauman

''A mixofobia'', por Zygmunt Bauman O sociólogo polonês Zygmunt Bauman utilizou o conceito de “Modernidade Líquida” (ou “Pós-Modernidade”) como forma de explicar como se processam as relações sociais na atualidade. Para Bauman, a modernidade “sólida”, forjada entre os séculos XIV e XV e cujo apogeu se deu nos séculos XIX e XX, teve como traço básico a ideia de que o homem seria capaz de criar um novo futuro para a sociedade, que cresceria em paralelo a uma vida enraizada em instituições fortes e presentes, como o Estado e a família. A confiança no homem e em sua capacidade de moldar o próprio futuro seria o principal traço desse período. Segundo Bauman, a partir das últimas décadas, sobretudo após a queda do Muro de Berlim, em 1989, essa modernidade “sólida” estaria em desintegração e seria gradualmente substituída por uma modernidade “líquida”. A palavra liquidez remete à fluidez, ausência de forma definida, velocidade, mobilidade e inconsistência. Esses ser

TARSILA DO AMARAL E AS PAISAGENS BRASILEIRAS + sugestão de atividade

Tarsila do Amaral e as paisagens brasileiras¹ O olhar de Tarsila sob a paisagem da vida cotidiana, rica em elementos que retratam diversas paisagens de nosso país. EXEMPLO: "Morro de Favela" 1924-  O Morro de Favela compõe uma paisagem de uma cidade múltipla, partes dos elementos continuam no passado. Nesta obra está presente a separação do campo e a cidade, e como a urbanização brasileira, há o contraste da pobreza e riqueza. A obra registra a marginalização da população pobre e e a miserabilidade dos negros no Brasil. A tela mostra a pobreza das casas amontoadas e roupas despenduradas.   As paisagens da Tarsila fundem as ideias do desenvolvimento industrial e urbano com a (re) descoberta do Brasil, da cultura popular e do passado colonial. A paisagem brasileira é rica em elementos e retratam diversas paisagens do país. Sugestão de atividade Esta publicação é uma possibilidade de trabalho interdisciplinar entre a Geografia, História e a Arte, lembrando

TRÊS DEFINIÇÕES DA POBREZA- Milton Santos (Pobreza Urbana e Por uma outra globalização)

TRÊS DEFINIÇÕES DA POBREZA- Milton Santos (Pobreza Urbana e Por uma outra globalização)  Antes das definições dos "três tipos de pobreza, é importante compreender o que, a pobreza, pela ótica de Milton Santos, no livro: “Pobreza Urbana”: “o termo pobreza, não só implica um estado de privação material como também um modo de vida - um conjunto complexo e duradouro de relações e instituições sociais, econômicas, culturais e políticas, criadas para encontrar a segurança dentro de uma mesma situação insegura” (...) * É importante compreender que, o assunto exige de nós uma ótima dinâmica, onde todos os fatores (internos e externos), devem ser levados em consideração, caso ocorra o contrário, estaríamos correndo o risco de buscar soluções parciais e contraditórias. E tais medidas parciais e contraditórias são considerados pelo autor, como, maneira de “esquivar-se ao problema da pobreza”, ignorando que a nossa sociedade é dividida em classes e desiguais, por sinal.